Dívida pública regista descida de mais de 10%

A dívida pública angolana registou, nos últimos três meses de 2022, uma descida superior a 10 por cento, quando comparada ao período homólogo de 2021, revelou a ministra das Finanças, em mensagem de Ano Novo dirigida, ontem, aos trabalhadores do órgão que dirige.

Vera Daves de Sousa disse também que o Produto Interno Bruto (PIB) real terá crescido 2,7 por cento, um pouco acima dos 2,4 por cento que estavam projectados no OGE de 2022.

Um outro registo assinalável e que a ministra realçou é o facto de a inflação acumulada ter ficado abaixo da meta estabelecida.

“Eis-nos chegados à passagem de mais um ano civil, momento sempre propício para reflectirmos sobre a nossa trajectória individual e colectiva e projectarmos, com redobrada energia, o tempo novo que aí vem. Nesta ocasião, endereço aos trabalhadores do Ministério das Finanças uma mensagem de gratidão, de estímulo e de esperança”, escreve, em nota enviada ao Jornal de Angola.

A mensagem de gratidão, lê-se, justifica-se face ao trabalho de todos os funcionários, também caracterizada por uma procura permanente de conhecimento e realização, com motivação patriótica de todas as tarefas.

“Sem o vosso compromisso teria sido muito mais difícil superarmos todos os desafios com que o nosso país se confrontou durante mais um ano”, reconheceu.

Por outro lado, a ministra das Finanças afirma ser a sua mensagem também de estímulo e de esperança, perante as incertezas e os riscos que se mantêm no horizonte e que só a continuação do trabalho realizado com rigor, disciplina e integridade poderá ajudar a que se dissipem.

“Temos de ser capazes de garantir que a produtividade do nosso trabalho continue a melhorar, o que só é possível se mantivermos o sentido de missão e de pertença a esta instituição, cuja razão de ser e de existir é a de servir todos os angolanos”, disse.

Vera Daves de Sousa finaliza a sua mensagem com o desejo de um feliz ano novo, pleno de realizações pessoal, familiar e profissional a todos os trabalhadores e colaboradores do Ministério das Finanças.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: